Delta do Parnaíba – Área de Proteção Ambiental

A Área de Proteção Ambiental (APA) Delta do Parnaíba foi criada em agosto de 1996, possui uma área de extensão de 307.590,51 hectares e abrange três estados do Nordeste, Piauí, Maranhão e Ceará, percorrendo todo litoral Piauiense.

A APA abrange 10 municípios: Tutoia, Paulino Neves, Araioses e Água Doce no Maranhão, Ilha Grande, Parnaíba, Luís Correia e Cajueiro da Praia no Piauí, Chaval, Barroquinha no Ceará.

PRINCIPAIS ATRATIVOS


Delta do Rio Parnaíba – cinco barras encontram com o mar

Praia do Feijão Bravo - Ilha dos Poldros (Foto: Acervo ICMBio)

Local paradisíaco de observação e contato com a natureza, o Rio Parnaíba deságua no Oceano Atlântico oferecendo deliciosos banhos de água doce e salgada.

Barra do Igaraçu, das Canárias, Caju, Melancieiras e Tutoia: cinco saídas para o mar, onde os passeios podem partir do Porto dos Tatus, no município de Ilha Grande, Piauí ou Porto de Tutoia, município do Maranhão.

Do porto dos Tatus, embarcações com capacidade para até 80 pessoas partem e seguem para a Ilha dos Poldros (MA), na Barra das Canárias, passando pela Caída do Morro, onde dunas encontram com o rio, e alcançam a praia, proporcionando ao visitante a paisagem de mangues, igarapés e animais silvestres.

Voadeiras com capacidade de até 14 pessoas, partem dos Tatus e de Tutoia, apresentando ao visitante as paisagens mais escondidas do Delta, no rumo das Barras das Canárias, Caju e Melancieiras, revelando igarapés, mangues onde se abrigam ninhais de guarás e garças, e fauna constituída de macacos pregos, guaribas, jacarés e capivaras, entre outros animais.

Comunidades Tradicionais

Visitar as comunidades do Delta é uma experiência singular para conhecer e vivenciar modos de vida tradicionais e seus costumes. É possível conhecer comunidades de pescadores, artesãos, catadores de caranguejo, coletores de ostras e mariscos, que vivem tradicionalmente de forma integrada com a natureza.

Como por exemplo, as comunidades localizadas na Ilha das Canárias, no município de Araioses, que abriga um povoado de pescadores com mais de 2.500 habitantes, ou a comunidade de Ilha Grande dos Paulinos, município de Tutoia, onde moradores de um assentamento do Incra vivem da pesca, cata do caranguejo e do artesanato da palha da carnaúba.

As comunidades inseridas no Delta e nos municípios pertencentes à APA Delta do Parnaíba, possuem vocação turística e abrigam excelentes resorts, hotéis, pousadas e restaurantes com comidas típicas sendo ideal para pessoas interessadas no ecoturismo, turismo de base comunitária proporcionando contato direto com a natureza e com os moradores da região.

Rios Timonha e Ubatuba – berçário do peixe-boi marinho

Barra dos rios Timonha e Ubatuba - Pontal das Almas (Foto: Acervo ICMBio)

No extremo leste do território da APA Delta do Parnaíba, onde o Piauí se limita com o Ceará, o estuário dos rios Timonha e Ubatuba, emoldurado por manguezais e apicuns, encontra-se bem conservado, tornando-se um importante berçário para a reprodução do peixe-boi marinho e inúmeros outros animais de vida marinha, como peixes, camarões, caranguejos, siris, mariscos, etc.

No litoral do Piauí, encontra-se importante população de peixes-boi, observada com frequência entre a praia do Peito de Moça, município de Luís Correia, e a praia da Itã, em Cajueiro da Praia, a depender das épocas do ano. No interior do estuário, é possível observar os animais principalmente no primeiro semestre, que corresponde aos meses de chuva na região.

Base do Peixe-boi

Base Peixe Boi - Cajueiro da Praia (Foto: Acervo ICMBio)

A base Peixe-Boi Marinho, localizada no Pontal do Socó, município de Cajueiro da Praia/PI, foi criada em 1994 para cuidar da conservação e monitoramento da população de peixes-boi que vivem em torno do estuário dos rios Timonha e Ubatuba, importante berçário da espécie.

As visitações são abertas ao público no horário comercial de segunda a sexta, e é possível conhecer a história da conservação deste animal que está ameaçado de extinção no Brasil e no mundo. Possui museu com esqueletos de animais marinhos e fluviais, além de materiais para ações educativas de sensibilização aos visitantes.

Passeio do Peixe-Boi Marinho

Foto: Acervo ICMBio

Pescadores de Cajueiro da Praia e Chaval realizam o passeio pelas camboas (lagos à beira-mar) do Timonha e Ubatuba através de embarcações tradicionais movidas por motores de rabeta, e além de oferecer aos visitantes banhos inesquecíveis em bancos de areias e praias, buscam a melhor oportunidade para avistar peixes-boi, cavalos marinhos, tartarugas e aves costeiras, residentes e migratórias.

Já foram vistos mais de dez peixes-boi no estuário, a depender sempre das fases da maré, da lua e do ciclo das águas da chuva. Por isso é importante programar os passeios em períodos mais favoráveis para a avistagem, a ser agendado com os condutores de turismo.

Passeio do Cavalo Marinho

Inicio do passeio ecológico de observação do Cavalo Marinho - Porto da camboa em Barra Grande. (Foto: Acervo ICMBio)

O passeio ecológico de observação do Cavalo Marinho tem início na sede da Barratur, associação formada por moradores do povoado de Barra Grande, Cajueiro da Praia, que oferece o transfer/transporte dos passageiros através de charrete de tração animal.

Ao fim do caminho por terra, se inicia o percurso pela água através de canoas tradicionais à remo, em meio a mangues e igarapés, com observação de espécies nativas tanto de fauna quanto de flora.

O passeio depende do horário da maré, portanto deve ser agendado com antecedência, percorrendo as camboas do estuário dos rios Caramupim e Cardoso, onde fica a Ilha do Cavalo-Marinho. Neste local, o condutor de turismo, mergulha e captura o cavalo-marinho de forma adequada e o insere num pequeno aquário para observação in loco pelo visitante.

Formações rochosas de Chaval

Pedras de Chaval (Foto: Acervo ICMBio)

Chaval conhecida como a “Cidade das Pedras”, se destaca pelas formações rochosas que chamam atenção dos turistas e visitantes. Na cidade ocorrem trilhas ecológicas onde se encontram escrituras rupestres, cavernas e passam por açude em meio às pedras.

Das formações rochosas mais conhecidas se destacam a Pedra do Céu, Pedra da Carnaúba, Pedra da Santa, Pedra do Letreiro e Pedra da Baliza

Dunas

A APA Delta do Parnaíba está rodeada por dunas de vários tamanho e formas, em todos os seus municípios. Seja no litoral ou próximo do leito dos rios, elas têm a importante função ambiental de barrar o avanço do mar, impedir a entrada de água salgada nos lençóis freáticos e também proteger áreas vizinhas do risco de erosões.

Estas formações de areias se mantêm intensas e admiráveis, por toda a extensão da unidade, na maioria das vezes com características de areia fina que variam de tonalidade do branco ao dourado e que vão sendo modeladas pelo movimento dos ventos.

Praias Paradisíacas

Ilha dos Poldros Feijão Bravo (Foto: Acervo ICMBio)

O litoral do nordeste exibe lindas praias de águas quentes e claras e a região costeira da APA não fica de fora dessas maravilhas naturais. Praias pouco exploradas, algumas quase desertas, rodeadas por dunas de areias branquinhas e densos manguezais, ricas em diversidade de espécies animais e vegetais, a natureza no seu mais puro estado, uma paisagem exuberante de encher os olhos.

Em geral, nesses paraísos isolados residem pequenas comunidades tradicionais, cujas principais atividades econômicas estão voltadas para pesca, artesanato e agricultura. Lugar onde a natureza e o homem convivem em harmonia, calma e tranquilidade.

As principais praias paradisíacas são: Praia do Barro Vermelho e Pequenos Lençóis em Paulino Neves/MA; Praia do Arpoador, Moita Verde e Praia do Amor em Tutóia/MA; Praia do Farol, Ilha do Caju, Ilha das Canárias e Praia do Feijão Brabo em Araioses/MA; Praia da Pedra do Sal em Parnaíba/PI; Praia da Atalaia, Peito de Moça, Coqueiro, Itaqui e Macapá em Luís Correia/PI; Praia do Morro Branco, Itã, Barrinha e Barra Grande em Cajueiro da Praia/PI; Porto do Mosquito em Chaval/CE e Praia de Bitupitá em Barroquinha/CE.

MUNÍCIPIOS E SEUS ATRATIVOS




Praia do Amor – Tutoia/MA

Foto: André Luiz

Pela sua beleza natural preservada, é uma das mais belas praias da cidade. Recebe esse nome por ser o ponto de encontro preferido dos amantes. É uma das poucas ou a única praia da região com ondas maiores de meio metro. Fica logo após a praia do arpoador.

O trajeto só pode ser feito pela areia e durante a maré baixa, no percurso pode se observar belas paisagens das dunas que são a porta de entrada dos Pequenos Lençóis, unidade de conservação estadual do Maranhão.

Illha das Canárias – Araioses/MA

Mangue Água Doce (Foto: ICMBio)

A Ilha das Canárias, no extremo leste do Maranhão, está inserida na Reserva Extrativista Marinha do Delta do Parnaíba, unidade de conservação que fica dentro da APA Delta do Parnaíba.

O local é um dos mais bonitos e sossegados da costa nordestina e faz parte de um arquipélago com 80 ilhas, onde turistas se deslumbram com as belas paisagens e animais da região: dunas, manguezais, igarapés, caranguejos, jacarés e inúmeras aves que fazem os ninhais à beira dos rios.

Possui pousadas e restaurantes e é um local ideal para pessoas interessadas no ecoturismo por proporciona contato direto com a natureza e com a comunidade tradicional.

Morro Branco – Ilha Grande/PI

Dunas fazem parte do cenário natural e turístico da cidade de Ilha Grande. Morro Branco, como são conhecidas as dunas que encostam no Rio dos Tatus, faz parte do roteiro turístico das grandes e pequenas embarcações que navegam no Delta, a partir do Porto dos Tatus.

A trilha é constituída por trechos com dunas, lagoas (no final do primeiro semestre, depois das chuvas), rio e mata. Também conhecida como “Caída do Morro”, a trilha é bastante procurada pelas caminhadas de aventura, como também pela prática de Sandboard e outras infinidades de esportes de natureza.

Praia da Pedra do Sal – Parnaíba/PI

Pedra do Sal Parnaíba (Foto: Acervo ICMBio)

Possui 8 km de extensão e fica na Ilha Grande de Santa Isabel, a 15 km do centro de Parnaíba.

A Praia é reconhecida pelo seu conjunto de rochedos graníticos, pedras que avançam oceano adentro, dividindo a praia em dois lados: o bravo, mais frequentado por surfistas por possuir ondas fortes e o lado manso, ideal para descanso, pescaria e acompanhar o pôr-do-sol.

A comunidade da Pedra do Sal vive principalmente da pesca, e os pescadores em suas pequenas canoas, pescam a mais de 10 milhas da costa, abastecendo os bares da praia e os mercados de Parnaíba.

Praia de Atalaia – Luis Correia/PI

Possui uma ampla faixa de areia plana, com ondas brandas e vários quiosques ao longo da orla. Recentemente, a orla passou por uma reforma que trouxe como resultado um calçadão à beira-mar.

Seu acesso é feito pela BR-343. Saindo de Teresina o turista pode pegar um ônibus direto para a rodoviária de Luís Correia que fica a 2 km da praia, e se for por Parnaíba, pode optar pelo transporte alternativo em vans que saem do centro da cidade e passam pela rotatória do Mirante.

Praia de Barra Grande – Cajueiro da Praia/PI

Praia Cajueiro de Baixo, vista da Base Peixe Boi (Foto: Acervo ICMBio)

Praia de média extensão é conhecida por seu clima agradável e aconchegante. Costuma receber um alto número de turistas durante a alta temporada, e na época de ventos fortes, entre os meses de agosto e dezembro, é um dos paraísos para a prática de kitesurf. Conta com uma grande faixa de areia dourada e fofa, águas transparentes e o mar é levemente agitado, principalmente quando venta. Nos meses de ventos mais brandos, atividades como o Stand Up Paddle são ideais.






Praia de Bitupitá – Barroquinha/CE

Uma pacata praia de areias clara e dunas sinuosas, repleta de pescadores tradicionais, a vila de Bitupitá está localizada no litoral da cidade de Barroquinha, a partir da CE-187.

Pontal das Almas - Barroquinha (Foto: Acervo ICMBio)

Na região é bem conhecida a pesca de currais, que avançam mar adentro, desde a faixa próxima à praia até uma distância de mais de cinco milhas da costa. São verdadeiras estruturas implantadas no mar, armadilhas para capturar cardumes de peixes, que impressionam pelas técnicas utilizadas as vezes com uma profundidade de 10 metros.

Uma praia tranquila, com uma culinária típica de regiões pesqueiras, oferece opções de hospedagens mais populares, com pequenas pousadas, um lugar ideal para quem deseja relaxar e aproveitar uma boa praia, sem o tumulto de muitos banhistas.

Porto do Mosquito – Chaval/CE

Localizado a aproximadamente 1,5 km do centro de Chaval, é o mais famoso ponto turístico da cidade, um porto de águas calmas de média extensão estruturado com pequenos quiosques em sua orla, onde é possível tomar um belo banho de rio salgado. Um bom destino para quem deseja visitar uma região cercada por manguezais, com características de uma cidade do interior. No Porto do Mosquito observa-se com clareza o fluxo da maré que ao baixar criar uma passagem direta de acesso ao mangue.

É possível se aventurar em um passeio de barco pelas águas tranquilas, praticar esportes náuticos como caiaque ou Stand Up Paddle, ou ainda, fazer uma caminhada pela orla. Ao final do passeio o visitante tem a opção de se deleitar com uma deliciosa refeição nos quiosques. Além deste balneário existem outras atrações turísticas na cidade Chaval como os Sítios Arqueológicos, o santuário da gruta, as salinas, a estrutura geológica com a formação de monólitos (pedras gigantes) e diversas opções de banho.

Fonte: http://www.icmbio.gov.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s